domingo, 12 de abril de 2009

Testando o oscilômetro

O Mundo Canibal é um site com animações toscas, sarcásticas e politicamente incorretas. Um de seus personagens mais famosos é um palhaço com baixíssima tolerância a coisas irritantes. Para medir o seu "nível de irritabilidade", aparece na tela o oscilômetro, como no vídeo abaixo:

A exemplo do personagem, existem algumas coisas que, por mais banais que sejam, deixam o meu oscilômetro a ponto de explodir (o seu não?):

* Nextel e mp3 no viva voz

Essa é mais comum em transportes públicos. Por que, meu senhor? Por que? Se existe a possibilidade de usar o aparelhinho da forma tradicional, pra que deixar o bicho com o volume nas alturas e acabar com o sossego dos cidadãos inocentes em volta?

* Atendimento automático

O hit dos serviços de atendimento ao cliente é economizar funcionários tentando resolver o máximo de problemas possíveis com base na orientação de uma voz - geralmente feminina - gravada. Além dos minutos a fio esperando a opção que condiz com o motivo da ligação ("para problemas com a sua conta, tecle 1208"), ainda corremos o risco de, quando por acaso apertamos a tecla errada, não conseguir mais voltar pro menu principal e cair num limbo telefônico. Pior ainda são os serviços em que a gente precisa falar o que deseja, porque a mulézinha nunca entende a coisa certa, por exemplo:

Voz de aeroporto - "Diga agora o motivo da sua ligação"

Você - "Alteração de endereço do titular"

Voz de aeroporto - "Ah, entendi: cancelamento da sua assinatura"

Budaguibariu.

* "Não aceita, não aceita!"

Tudo bem que existem outras formas de falar sobre assuntos confidenciais, mas a praticidade faz com que muitas vezes a gente escolha mandar depoimentos no Orkut, já que estes a princípio são visíveis apenas para o destinatário. A merda é quando o indivíduo clica em aceitar a mensagem. Adeus, privacidade.

* Vendedoras zuperamigas

Você está lá, na sua, dando uma olhadinha nos produtos de alguma loja, quando chega aquela pessoa sorridente pra acabar com a sua paz. Adoro vendedoras que chegam, se apresentam, dizem que é só avisar se precisar de ajuda e te deixam voltar para o delicioso esporte do consumo. O que me dá nos nervos são aquelas que mostram a loja inteira, mesmo que você só queira só uma camiseta básica, abrem a cortina do provador - dizendo que "ficou linda!", mesmo que a peça em questão tenha ficado pavorosa - e agem como se você fosse uma amiga de infância. 

* Panfletistas

Não, eu não quero o meu amor de volta em sete dias, vender meu único cordãozinho de outro ou pegar um empréstimo "rápido e sem burocracia". Dependendo do ponto da cidade, é tanta gente distribuindo papel que eu me sinto tendo que desviar das tartaruguinhas do Super Mario Bros.

* Fala, mas não encosta!

Todo mundo tem uma "zona de conforto" em volta de si. Se, durante uma conversa, alguém a ultrapassa, é como se estivesse invadindo esse espaço, especialmente se a outra pessoa não for íntima o bastante pra que a gente permita uma aproximação maior. Nada mais angustiante do que falar com um desconhecido que faz questão de segurar o seu braço ou que tem o desagradável hábito de abusar do contato físico durante a conversa.    

* Musiquinha do plantão da Globo

Juro que tenho taquicardia quando escuto. Sinal de que deu alguma merda das grandes.

* Crianças-prodígio

Desconfio que são todas anãs ou extraterrestres disfarçadas.

* Olhos famintos

Às vezes eu preferiria não ter visão periférica. Vou explicar: eu tenho mania de andar com uma revista ou um livro na bolsa, pra ler sempre que surge um tempinho de folga. O porém é quando percebo que tem um enxerido com o olhão em cima da minha leitura. Uma veia começa a pular na minha testa e a minha concentração vai pras cucuias.

E com você? O que faz o seu oscilômetro disparar? 

5 comentários:

Tais Carvalho disse...

Meu oscilômetro dispára em: onibus cheio + pessoas folgadas (não quero enconstar minha banda da bunda na de alguém que eu não conheço), crianças histéricas + mães apáticas (fingem que não é com elas, nem sei que eu mataria primeiro...) e porteiros sem noção + comentários impróprios em momentos idem...(atacaria todos no melhor estilo Amy Winehouse)

Mattheus Rocha disse...

Eu tô ficando é de saco cheio de gente, sabia? Poucas pessoas não fazem meu oscilômetro disparar.

Moça do Fio disse...

Detesto que fiquem me olhando sem motivo aparente. Falto morrer de vergonha.

E adoro as vendedoras que me cumprimentam e me deixam a vontade para escolher o que quero. As que não desgrudam... afe, um horror.

Felipe Melo disse...

"Nossa, adorei seu blog! Entra lá no meu: blogdooportunista.blogsopt.com " (olha o oscilômetro já vibrando para pseudo-admiradores oportunistas).

"Aquele filme é excelente, uma obra prima!! Tô doido pra ver..." (desinformados metidos a intelectuais sabe-tudo gerando grande oscilação...)

"Sentae, porra! Quero assistir o jogo!!" (esse sou EU fazendo os oscilômetros dos pobres botafoguenses no maracanã dispararem. Tudo bem, estou atrapalhando, mas "se quiser assistir sentado, assiste em casa!" huahuahauhauaha).

Comentário chato em post legal tb deve oscilar aí... foi mal aê! hahahahaha

[voltei!]

bjs

Vivian Raffaeli disse...

Caraca Lua, nossos oscilômetros estão em sintonia...

Outro dia QUASE enfiei pela goela, o meu fone de ouvido, num cara que ouvia funk no cel dele aos berros no metrô. "C*! Existe fone, seu m*" rs Foi por mto pouco!
bjus