domingo, 9 de novembro de 2008

Obsessões de Woody Allen, agora na Espanha

Hoje fui à pré-estréia de "Vicky Cristina Barcelona", o novo filme do Woody Allen. Pouco antes da sessão começar, a fila já ultrapassava a entrada do Estação Botafogo e fazia curva bem depois do pipoqueiro. Restaram só algumas poltronas vagas nas fileiras do torcicolo, enquanto o restante da sala foi tomado por gente curiosa pra ver como o diretor ia se sair contando uma história ambientada na Espanha e sem que o próprio interpretasse um dos personagens.
.
Na produção, Vicky e Cristina são grandes amigas com personalidades opostas - a primeira é metódica e racional e a segunda, instável e passional - que vão passar uma temporada hospedadas em Barcelona.
.
Vicky está noiva de um carinha sem graça e Cristina está à procura de alguém que dê jeito na sua "insatisfação crônica". Uma noite, inesperadamente, aparece Juan Antonio, um charmoso pintor de quem elas só escutaram as fofocas sobre seu divórcio violento. As duas acabam se envolvendo com ele, e ainda aparece a ex-mulher do sujeito pra completar o quiprocó.
.
A grande questão do filme é a busca pelo amor como a resposta para todas as inquietações, o que pode até parecer piegas. Mas, como aqui o manda-chuva é Woody Allen, o assunto é tratado com altas doses de sarcasmo e ceticismo, como na frase dita por sua Maria Elena (Penélope Cruz), de que "só os amores não-realizados são românticos" (ou algo parecido).
.
"VCB" conta com três dos nomes mais quentes de Hollywood: Javier Bardem (ou "meu pedido de Natal desse ano"), Scarlett Johansson e Penélope Cruz. Estão lá várias das marcas de Allen: os ótimos diálogos, a ironia, a crítica a uma elite que tem muita grana e zero de inteligência, a sexualidade reprimida e as neuroses contemporâneas. No entanto, é interessante observar como o diretor tem evitado a mesmice, tanto no roteiro quanto na estética visual, para tratar mesmo dos temas mais batidos por seus filmes anteriores. A trilha sonora - com deliciosos solos de violão flamenco - e as locações ainda dão um charme a mais ao filme.

4 comentários:

Felipe Melo disse...

Javier me lembra a obra prima "no country for old man". Quando eu vi o trailer desse "VCB" pensei: "fazendo filminho água com açúcar engraçadinho do Woody Allen??". Claro que o trio é quente mesmo, e pelo visto o Woody não está se repetindo mesmo, mas venhamos e convenhamos: o filme é bom mesmo ou é coisa de fã do Woody Allen? Hehehe.

Luanda de Lima disse...

É bom mesmo; verdadade verdadeira.

Winnee Louise disse...

maria helena, i love you!

Luanda de Lima disse...

Adoro ela gritando pra Cristina: "Niña de mierda!!!"