sexta-feira, 2 de maio de 2008

Painéis sonoros


Nas aulas de Teoria da Comunicação, a gente sempre escuta muito sobre o poder da imagem, a revolução da TV, a onipresença visual no mundo contemporâneo etc etc etc, mas o que pouco se percebe é a influência do som nas nossas vidas, mais especificamente da música.
Ela é pano de fundo de momentos felizes ou tristes, inspiração, muitas vezes diz o que não conseguimos verbalizar, provoca epifania e catarse, reflete aspectos e tendências da sociedade. Que discurso traduziria de forma mais intensa a revolta e a angústia de viver numa ditadura como "Cálice", nas vozes de Chico Buarque e Milton Nascimento?
Não podemos nos enganar pensando que apenas a composição, a letra e os arranjos formam a música, esquecendo de uma peça central: o intérprete. Se não fosse pela voz rouca, suja e irada de Kurt Cobain, "Smells Like Teen Spirit" não seria o hino que se tornou.
E as mensagens supostamente ocultas? Tem gente que jura de pé junto que "Hotel California" fala do inferno, "The Dark Side of the Moon" foi gravado como trilha alternativa para "O Mágico de Oz" e "Uva de Caminhão" (cantada por Carmen Miranda) é sobre o aborto.
Teorias à parte, que satisfação é extrair significado de uma música, pensar que se foi agraciado com uma conexão direta com a mente do artista. Se bem que também é interessantíssimo se deparar com uma música enigmática, que parece indecifrável.
Ou quando o som traduz o que se passaria horas sem fim tentando dizer sem conseguir com exatidão. Em um certo período de fossa, ouvir Roberta Sá cantando"Valsa da Solidão" me confortou porque, mesmo sofrendo, havia alguém que entendia perfeitamente o que eu sentia. "Primeiro Andar", do Los Hermanos, marcou a percepção de que eu havia me tornado adulta e que só eu poderia me responsabilizar pelos meus passos.
O sentido não está presente apenas nas músicas cantadas: as que são apenas instrumentais podem ser menos claras e mais polissêmicas, mas ainda mais incisivas. A trilha sonora de "Mar Adentro", cheia de canções instrumentais, reflete o desejo triste de uma liberdade que parece inviável. O que Chopin queria dizer com o seu Noturno op. 9 no. 2?



Um comentário:

Winnee Louise disse...

ahhhhhh

não consigo te achar no last.fm!
ótimo post, minha trilha sonora para 00:28 é keren ann - lay your head down e se você for escutá-la ou baixá-la de antemão já lhe peço perdão, a esta hora eu fico deprê e ouço estas coisas meio chorosas mesmo...