domingo, 2 de maio de 2010

Carrossel

Um dia eu acordei e tinha contas pra pagar. Um compartimento só meu na pasta-sanfona de documentos de casa. Os pais dizem pros filhos agradecerem "à moça" quando eu seguro a porta do elevador. Quando foi que isso aconteceu e eu não vi?

Os dias são cheios de prazos, planos ainda não realizados, cálculos, projetos, correria. As noites têm gosto de vodka e cheiro de cigarro. "O quê?", eu pergunto aos berros, sem escutar o que a outra pessoa diz por causa da música alta. Repito duas vezes. Se não tiver entendido depois da terceira, me rendo. Apenas gargalho e concordo. 

Melhores amigos por uma noite, as estranhas criaturas da madrugada, a maquiagem borrada ao acordar.  O domingo preguiçoso, as roupas pra lavar, a agenda pra rever. A campainha do despertador e a leitura da revista semanal às segundas-feiras, durante o trajeto do ônibus. E repete terça, quarta, quinta, sexta, sábado, domingo, indefinidamente.

3 comentários:

Fran Junqueira disse...

vai ver entre uma feira e outra calha da gente lembrar que é gente...aí está lançado o perigo (:

Winnee Louise disse...

que saco.

Leca disse...

Vim até aqui...
para te trazer gentilezas...
e beijos gentis...
Leca